coragem

O PODER DA CORAGEM

Ultimamente, tenho parado para analisar algumas palavras. E a força que elas produzem em nossa mente, corpo e o quanto influenciam nossas ações. Vamos lá! Pensando hoje na palavra coragem. Com origem no Latim, coraticum, derivado de cor, “coração”, órgão que era considerado o centro da coragem, da inteligência. Sua definição original era “contar a história de quem você é com o coração”, “saber pelo coração”.

Analisando por esse lado, podemos entender que ser corajoso é ser autêntico, verdadeiro, ter coragem para mostrar-se. Mesmo que se pague um preço para isso. É ter a ousadia de ser quem somos independentemente de julgamentos.

Hoje, onde se quer padronizar as pessoas e condicioná-las a um determinado tipo, seja de beleza, sejam de atitudes, ter coragem de ser diferente é um grande desafio! Pagar o preço de ser quem somos e isso não significa que não possamos evoluir.

Não! Significa ser fiel a nossa essência. Ter coragem de não deixar o que acreditamos ser sufocado em meio a temores. Não abandonar um sonho porque alguém não acredita. Importa é a gente acreditar e ter coragem suficiente para não desistir dele. É não se contaminar com o que vai de encontro a nossa consciência.

Como fazem falta os corajosos… Em um mundo que muitos preferem submeter-se, ao invés de argumentar com suas próprias palavras. Dizer sim, quando no fundo, tudo que se quer é dizer não, mesmo que isso afete profundamente o que realmente somos e acreditamos. Talvez calar e aceitar o que nos maltrata, machuca e nos faz sofrer seja covardia.

E a gente aprende a ser neutro ou até indiferente aos nossos apelos mais profundos. Aprender a externar o que queremos, o que acreditamos é um ato de coragem que deve ser cultivado.

Chegará o dia em que os originais farão uma grande falta! Quisera que nos tornássemos sedentos de coragem e de vontade de ser a gente mesmo, em um mundo tão escasso de verdades. Omitindo as nossas verdades acabamos pagando um preço. 

Porém ser sincero ou autentico, não significa sair atropelando tudo, ou todos com palavras. Não devemos confundir originalidade com ignorância ou falta de tato. Utilizar as palavras corretas demanda de paciência, respeito e empatia. Lembre-se você deve agir de acordo com o que é bom para si, com coragem. Mas procure agir com cuidado, para não esmagar a coragem do outro.

 

Fonte: http://www.fasdapsicanalise.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *